Redes Sociais

Home » Notícias


Mariana: águas subterrâneas da bacia Rio Doce estão contaminadas

  • Texto:
  • Diminuir fonte
  • Tamanho normal da fonte
  • Aumentar fonte
  • Aumentar fonte

Mariana: águas subterrâneas da bacia Rio Doce estão contaminadas Além do Rio Doce, a tragédia de Mariana também pode ter contaminado as águas subterrâneas da região com altos níveis de metais pesados. Uma pesquisa da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em parceria com o Greenpeace, publicada em março deste ano, revelou que a água dos poços artesianos locais apresentou níveis de manganês e ferro acima do permitido pelo governo brasileiro. De acordo com o estudo, o aquífero provavelmente foi afetado pelo rompimento da Barragem de Fundão, pertencente à mineradora Samarco, no município mineiro de Mariana, em 5 de novembro de 2015, considerado a maior tragédia ambiental do país. Os dados são alarmantes já que, como os pequenos agricultores da região não têm outra fonte de água tanto para consumo próprio, como para a irrigação da plantação, eles correm alto risco de contaminação que pode causar, no caso do manganês, problemas neurológicos, semelhantes ao mal de Parkinson, e, dano nos rins, fígado e o sistema digestivo, no caso do ferro.

Desastre na bacia do Rio Doce

Para verificar se a água dos poços artesianos também havia sido alterada pelo rompimento da barragem, os pesquisadores analisaram 48 amostras coletadas de três regiões diferentes da bacia do Rio Doce: Belo Oriente (MG), Governador Valadares (MG), e Colatina (ES). As amostras foram coletadas em poços, em pontos do rio e na água tratada fornecida pela prefeitura ou pela Samarco.
Governador Valadares foi a que mais apresentou níveis de ferro e manganês acima do estabelecido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), com doze pontos de contaminados. Já, Colatina teve dez locais com os valores acima do permitido e Belo Oriente, cinco. Segundo o estudo, a água desses locais não é adequada para consumo humano e, em alguns casos, também não é recomendado o uso para irrigação de plantas – situação de alguns pontos de Governador Valadares e Colatina.
Os pesquisadores disseram que ainda não podem afirmar que os poços sofreram a contaminação direta por conta da lama vinda da barragem, já que faltam estudos prévios na região. Mas, como os poços só foram implementados e utilizados após o derramamento de água no rio — antes 98% da população se abastecia diretamente com a água do Rio Doce –, o estudo trata a contaminação como uma das consequências do rompimento da barragem.
“A contaminação por metais pesados pode ter  graves agravamentos futuros para as populações do entorno, que necessitam de suporte e apoio pós-desastre. Isso deve ser arcado pela Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billiton, e monitorado de perto pelo governo brasileiro”, disse Fabiana Alves, da Campanha de Água do Greenpeace, em comunicado.

Agropecuária da região

No curto prazo, o grande impacto tem sido na agricultura, identificou a pesquisa. O estudo identificou que, a maioria dos pequenos produtores locais não abandonaram suas terras e, agora, enfrentam dificuldades financeiras por não conseguir mais produzir com o solo e a água que têm.
De acordo com o relatório, 88% dos entrevistados afirmaram ter alterado o tipo de cultivo e/ou criação realizada pela família após o incidente. A produção de cabras, por exemplo, foi bastante afetada pelo desastre e as atividades de pesca e criação de peixes praticamente desapareceram na bacia.
Dados apresentados pelos pesquisadores após entrevistas com os agricultores demonstraram também que, após o desastre, somente 36% ainda utilizam água do Rio Doce para atividades econômicas. Destes, 87% utilizam a água para irrigação. No entanto, cerca de 60% dos entrevistados considera a água imprópria para uso.

Fonte: http://veja.abril.com.br/brasil/mariana-aguas-subterraneas-da-bacia-rio-doce-estao-contaminadas/

Dan Comunicações.



Telefones do Diretórios Estaduais
Acre - (68) 9971-7110 Espírito Santo - (27) 9969-0548 Pará - (91) 3033-9060 (91) 8112-8311 Rondônia - (69) 8111-0222 / (69) 8441-7809
Alagoas - (82) 8870-2922 Goiás - (62) 9855-1000 Pernambuco - (81) 3037-0795 Rorâima- (95) 8115-7200 - (95) 8124-6893
Amapá - (96) 98404-0061/ (96) 99971-1199 Maranhão - (98) 9204-7202 - (98) 8235-5198 Piauí - (86) 9983-9713 Santa Catarina - (48) 9601-4743
Amazonas - (92) 9150-5272 Mato Grosso - (65) 9976-9696 Rio de Janeiro - (21) 9835-0790 São Paulo - (61) 8126-5151
Bahia - (71) 9187-1214 / (71) 9943-5300 Mato Grosso do Sul - (67) 3362-6308 Paraná - (41) 2105-2700 Sergipe - (79) 9192-8000
Ceará - (85) 9943-3073 Minas Gerais - (31) 3324-4772 / (31) 9628-1442 Rio Grande do Norte - (84) 9609-9275 / (84) 3025-5151 Tocantins - (63) 8467-0406 / (63) 9951-2228
Distr. Fed. - (61) 9 8217-9113 Paraíba - (83) 8829-0164 / (83) 8832-6037 Rio Grande do Sul - (51) 81695437    
SHN, Quadra 2, Bloco F, Conj. 1510, sala "B", Ed. Executive Office Tower – Asa Norte
Brasília-DF - CEP 70702-000
Presidente Nacional Adilson Barroso. Cel.: (16) 3943-4774 - (horário comercial). 

© Copyright 2017 — PEN 51 - Partido Ecológico Nacional. Todos os direitos reservados.